Lordose: o que é, e como tratar

Lordose: o que é e como tratar

Lordose é o nome que se dá ao excesso de curvaturas na região da coluna. Geralmente essas curvas são acentuadas para dentro.

Além disso, existem outras curvaturas na região como:  as cifóticas, que são aquelas projetadas para fora da caixa torácica, e as escolióticas, que se caracterizam por uma curvatura nas laterais da coluna espinhal.

A nossa coluna é flexível e podem apresentar uma reversão das curvas de acordo com os movimentos que fizemos no corpo, e por isso, não devem ser motivo de preocupação.

Lordose é o nome que se dá ao excesso de curvaturas na região da coluna. Geralmente essas curvas são acentuadas para dentro.

Mas fique atento:  se algumas dessas curvas se mantém inalteradas durante todo o dia, procure um médico e faça um tratamento especializado.

As causas da lordose podem estar relacionadas a problemas de saúde que afetam a estrutura da coluna espinhal, como é o caso de:

  • Acondroplasia; transtorno genético que pode causar o nanismo
  • Discite; inflamação no espaço intervertebral dos discos da coluna
  • Cifose (ou corcunda)
  • Obesidade; que pode fazer com que algumas pessoas inclinem o corpo para trás para buscar o equilíbrio
  • Osteoporose;
  • Má postura;

As lordoses patológicas podem ser caracterizadas como hiperlordose e hipolordose.

A primeira surge quando há aumento um excessivo da curvatura para dentro do corpo, na direção da frente do abdômen, o que deixa os glúteos mais destacados (onde o bumbum fica mais empinado) e a barriga mais saliente.

A segunda é caracterizada pela redução das curvaturas a ponto de provocar o enrijecimento da coluna nas regiões cervical e lombar.

Ambos os casos podem comprometer a mobilidade da coluna na região afetada.

A lordose patológica pode ser causada por questões genéticas e ambientais.

Excesso de peso, posturas inadequadas, gravidez, exercícios físicos mal orientados, uso excessivo de sapatos altos, lombalgias, alterações ósseas, musculares e neurológicas, tumores e tabagismo são algumas das causas mais frequentes.

O diagnóstico desses desvios da coluna é feito através de exames clínicos minuciosos, com o paciente posicionado de frente, de costas e de perfil, pois assim são vistos mais claramente nos exames de raios X.

Além de identificar os desvios no alinhamento da coluna vertebral, as radiografias permitem medir o grau das curvaturas e identificar lesões que podem afetar os discos e as articulações, bem como visualizar sinais de fraturas, luxações ou tumores nessa região.

Em alguns casos específicos de deformidades é necessário recorrer à tomografia computadorizada ou à ressonância magnética para estabelecer um diagnóstico definitivo e encaminhar o paciente para o tratamento adequado.

Em geral, os tratamentos para lordose patológica incluem técnicas de fisioterapia, como a RPG – Reeducação Postural Globalizada – exercícios de alongamento e para fortalecer a musculatura e estimulação elétrica.

Uso de palmilhas e coletes ortopédicos também podem ser úteis para combater a progressão da curva e, na medida do possível, manter ossos e articulações na posição adequada.

Os tratamentos não devem excluir o uso de medicamentos anti-inflamatórios, analgésicos e relaxantes musculares para alívio da dor, tais como paracetamol, aspirina, ibuprofeno, dipirona, diclofenaco de sódio.

As cirurgias para estabilização da coluna vertebral só são recomendadas para pacientes adultos em situações muito específicas.